ANE realiza projeto que estimula conhecimento, envolvimento e implantação do Plano de Manejo na UCN Sítio dos Pintos

Foto: Divulgação/ANE

A Associação Águas do Nordeste (ANE) dará continuidade às ações que visam à conscientização e à preservação na Unidade de Conservação da Natureza (UCN) Sítio dos Pintos, que pertence ao Sistema Municipal de Unidades Protegidas (SMUP) do Recife. O Projeto Educação Ambiental e Mobilização Social para o Plano de Manejo da UCN Sítio dos Pintos foi aprovado recentemente e sua primeira atividade será mobilizar pessoas para o curso de Formação de Agentes de Mobilização Socioambiental. 

O Projeto tem como objetivo informar, formar e mobilizar moradores da UCN Sítio dos Pintos para fortalecer a identidade, o vínculo e criar condições para que o Plano de Manejo seja conhecido e implementado pelos seus moradores. As mulheres e os jovens serão peças fundamentais nesse processo de educação ambiental e mobilização social, pois, além de numerosos, eles detêm um grande poder de influência nas famílias da localidade. De acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011), 52% dos habitantes da localidade são mulheres e destas, 44,6% são responsáveis pelo domicílio. 

A iniciativa se divide em três etapas. A primeira etapa terá como foco a formação e a capacitação de jovens moradores da UCN para que esses atuem como agentes de mobilização socioambiental. Após esse processo, os agentes realizarão atividades educativas, como campanha educativa, a produção de spots de rádio e vídeos, uma mostra ambiental audiovisual itinerante e o planejamento e a implantação de trilhas interpretativas pela comunidade. A produção de uma publicação sobre a UCN Sítio dos Pintos é uma das últimas etapas do Projeto e o documento será instrumento de formação e educação ambiental. 

A coordenadora geral do Projeto, a bióloga Renata Silva, espera que o projeto contribua para que as pessoas reconheçam o território onde vivem como uma Unidade de Conservação da Natureza. “O nosso desejo é que elas tenham maior esclarecimento acerca do potencial das áreas naturais e mananciais hídricos para a qualidade de vida, se envolvam em ações de conservação dos bens naturais da UCN e se articulem para buscar melhorias necessárias para as comunidades ali presentes”, esclareceu. O Projeto Educação Ambiental e Mobilização Social para o Plano de Manejo da UCN do Sítio dos Pintos será realizado pela ANE e patrocinado pela Prefeitura da Cidade do Recife com recursos do Fundo Municipal de Meio Ambiente através do Edital 01/2018 da Secretaria de Desenvolvimento Social e Meio Ambiente (SDSMA/FMMA). 

De acordo com Maíra Braga, Gerente Geral de Unidades Protegidas da Secretaria de Desenvolvimento Social e Meio Ambiente (SDSMA), a ação da ANE é importante porque provoca um olhar para a UCN, para que essa área seja vista como Unidade de Conservação. “O projeto articula moradores, poder público e sociedade civil organizada para planejar e gerir o território. O Plano de Manejo ficará pronto no segundo semestre deste ano e o Projeto desde já provoca e integra a sociedade para que todos os moradores assumam a corresponsabilidade para o Plano de Manejo”, analisa Braga. 

UCN – A UCN Sítio dos Pintos é uma das 25 UCNs criadas do Recife, possui uma área de 51,3 hectares e tem importantes nascentes e riachos que contribuem com a hidrografia e drenagem urbana do município. A área faz divisa com o Parque Estadual de Dois Irmãos e as áreas naturais da UCN correspondem a cerca de 50% do seu território. O bairro Sítio dos Pintos é caracterizado como urbano periférico e é marcado pela falta de planejamento de ocupação territorial e precárias condições de saneamento. Em torno da UCN, existem dez comunidades e três condomínios de classe média e alta. “Tendo em vista que a Unidade está situada dentro de um bairro populoso, esta constatação é algo bastante significativo, sendo urgente se definir estratégias que visem à conservação dessas áreas, uma vez que a especulação imobiliária, caracterizada por invasões e ocupações irregulares, pressiona, degrada e diminui cada vez mais estes espaços”, contextualiza a coordenadora Renata Silva.

Fonte: ANE